DestaquesNotícias

Dólar e o Design

By 3 de agosto de 2011 3 Comments

É quase impossível não ver nem sentir o caos financeiro em que o mundo se encontra. Países, que são considerados de primeiro mundo, estão à beira da falência, com dívidas absurdamente altas. É a premeditada crise do Capitalismo, premeditada pois já tivemos um aviso em 1929 e 2008. Mas parece que no Brasil está tudo sob controle, isto é, uma confortante ilusão. A valorização do Real frente ao Dólar soa como uma conquista disfarçada de consequências perigosas. Em termos de competitividade, praticamente metade das empresas exportadoras brasileiras perdeu participação no mercado em 2010. A Sondagem Especial Exportações Industriais, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) nesta segunda-feira, 1º de agosto, revela que 48% delas sofreram redução no mercado externo e deixaram de exportar em 2010. Nas pequenas empresas, tal índice chegou a 55%. Se a situação estivesse estável a Presidência da República não lançaria medidas como o recente Plano Brasil Maior.

É óbvio que com o dólar baixo comprar produtos e serviços de outros países fica muito mais atrativo do que os nacionais. Porém, esta miopia econômica gera à já desgastada palavra Desindustrialização, ou seja, para que fazer no Brasil se é mais barato comprar de fora. Se já era caro ter uma empresa no país tupiniquim por causa do maior juro do planeta, agora fica inviável com esta roleta, quer dizer…montanha russa cambial. Ainda bem que “somos brasileiros e não desistimos nunca”. Na mesma Sondagem da CNI, mostra que a principal estratégia de sobrevivência é, para 45% das empresas a redução de custos ou aumento da competitividade. Em segundo lugar, 37% estão à busca de novos mercados. 

Opa! Para empreendedores e inovadores isso tem cheiro de oportunidades! Aqui vai uma charada: o que reduz custo, aumenta a competitividade e ainda abre novos mercados? É isso mesmo, o DESIGN. Talvez “nunca na história deste país” esta ferramenta de inovação foi tão propícia para as empresas brasileiras como agora. Só falta elas saberem o que é e como pode utilizá-la em suas empresas. Existem miliares de designers famintos para criar, desenvolver, inovar, dar resultados para as empresas. E do outro lado existem milhares de empresas com fome de competitividade. Junte os dois e nós resolveremos boa parte dos problemas econômicos de nosso país.

Abraços,

Eduardo M. Borba

3 Comments