DestaquesNotícias

Bauhaus – o design modernista

By 12 de março de 2012 janeiro 14th, 2019 No Comments

A Alemanha em 1919 estava passando por um período conturbado. A derrota na Primeira Guerra Mundial e a insatisfação popular com as consequências causadas pela guerra contribuíram para a formação de um partido comunista, contexto que fez surgir a Casa de Construção Estatal, conhecida como Staatliches Bauhaus. A Bauhaus foi uma escola de arte e design financiada pelo Estado, que tinha por objetivo unir as artes aplicadas aos processos de fabricação industrial, fazendo com que o design se tornasse acessível ao proletariado.

Walter Gropius, um dos fundadores e diretor da Bauhaus, tinha a ideia de utilizar o artesanato como base para trazer o valor estético para os produtos industriais, para que esses não fossem apenas focados no uso. Segundo Pereira (2010, p.3) “Outra característica marcante de Gropius e o grupo formado por ele era o repúdio pela burguesia e por qualquer objeto que pudesse ser considerado burguês”. E para não serem considerados burgueses, a forma dos objetos deveria possibilitar a produção industrial.

Staatliches Bauhaus

Walter Gropius

A Bauhaus também reflete o destaque ao pensamento racionalista que influenciou todo o modernismo, a tecnologia e a ciência são os valores dominantes, e na época acreditava-se que transformariam o contexto social mundial, trazendo progresso e melhorando as condições de vida das pessoas.

O homem que antes trabalhava no campo, muda-se para a cidade, a fim de trabalhar nas indústrias que estavam surgindo. As indústrias precisavam de operários, e as pessoas queriam usufruir dos benefícios dos novos conhecimentos trazidos pela tecnologia.

Os produtos desenvolvidos até o modernismo não tinham preocupações com o que acontecia depois que o produto era finalizado, pois o objetivo era principalmente aumentar o consumo. Com o modernismo e a Bauhaus o discurso consistia em fazer com que o design fosse acessível também ao proletariado. Segundo Lima (2010, apud LEMOS, 2004, p.52) “A tecnologia moderna será o instrumento legítimo que permite transformar e regenerar o mundo” o que não aconteceu, os valores modernistas acabaram contribuindo ainda mais para a degeneração ambiental e social.

Percebemos a exemplo da Bauhaus, a importância por trás do ideal do design, e as consequências que um discurso utópico podem trazer. Os designers modernistas alcançaram seus objetivos de democratizar o design, porém, não pensaram nas consequências que isso trouxe para o planeta e para a própria sociedade, que teve que se re-organizar em torno de um modo de vida industrial, os agricultores tornaram-se operários nas indústrias, exercendo funções na maioria das vezes limitadas pela produção em série, aceitaram a troca de profissão com o objetivo de usufruir dos novos bens criados por essa mesma indústria, que foi se fortalecendo e perdendo o sentido inicial, tendo como objetivo principal o consumismo para gerar lucro.

Poluição

 

REFERÊNCIAS

PEREIRA, Lívia M. Bauhaus: acertos, fracasos e ensino. 9º P&D. São Paulo, 2010

LIMA, Rafael l.Efreim de. Design moderno: tecnologia, reduto e cultura. 9º P&D. São Paulo, 2010