DestaquesNotícias

A verdadeira estratégia

By 15 de setembro de 2011 No Comments

Na cultura industrial as ideias e conhecimento adquiridos de uma empresa são considerados estratégicos e relacionados com a competitividade. Histórias sobre espionagem de segredos industriais ainda levam as empresas a reter seu conhecimento. Entretanto, o mundo mudou. Será que esta cultura empresarial ainda é válida neste novo mundo?

Se este comportamento estratégico fosse ainda vantajoso, por que a IDEO, a maior e mais respeitada consultoria de design e inovação do mundo, compartilhando com todos a sua metodologia Design Thinking, ainda não faliu? Quando a IDEO compartilhou seu conhecimento virou referência e cresceu ainda mais, tendo hoje aproximadamente 500 funcionários e US$ 100 milhões de faturamento.
Outro exemplo que lembrei é o caso apresentado no livro Pequenos Gigantes de Bo Burlingham. O autor descreve a história real da cervejaria Anchor Brewing, que decidiu não ter uma mega-estrutura, isto é, decidiu não crescer. Mas como no mercado a maioria dos concorrentes, senão todos querem crescer, a todo hora surgiam cervejarias para atender a demanda crescente. A pequena cervejaria ao invés de combatê-las ajudou muitos iniciantes a se aperfeiçoarem na atividade. Com isso, a Anchor Brewing virou referência e ainda por cima ganhando para isso.

Outra ocasião que ficou gravado em minha memória foi em uma aula da disciplina de marketing que lecionava. Como designer inquieto sempre estou compartilhando informações e idéias. E nesta peculiar aula, um aluno me questionou se não tenho receio de que roubem as idéias expostas nas aulas. Pensei e respondi que não. E outra vez me questionou: mas por que não? Minha resposta: como evoluiremos como ser humano ou como empresa engavetando o conhecimento?
Será que o Fiat Mio teria tanta inovação se não fossem as 17.000 contribuições das 15.200 pessoas que se cadastraram no projeto do carro? Ou teria o mesmo resultado se dependesse só do conhecimento da equipe de design e engenharia da montadora?
A experiência mostra que se queremos ser referência é necessário que as pessoas saibam que você tem tal conhecimento, só assim se tornará referência para estas pessoas. Será coincidência que muitos professores universitários são consultores?
A melhor estratégia de perpetuação de marca e por conseqüência manutenção de faturamento e empregos, é compartilhar suas experiências, conhecimentos e ideias. Agora, se quiser continuar guardando o conhecimento para si, sem problemas, só que sempre correrá atrás dos que compartilham.
E por último, se a retenção de conhecimento senda estratégica e compartilhá-la pode resultar em perda de competitividade, por que existem universidades?

OBS: a foto é de Aloísio Magalhães, considerado patrono do design brasileiro e que compartilhou muito de seu conhecimento.
Abraços,
Eduardo M. Borba