DestaquesNotícias

A Revolução Industrial não acabou

By 1 de setembro de 2011 2 Comments

Podem falar que estamos na Era da Informação, Era Digital ou até na Era do Conhecimento, mas não é o que os indicadores mostram. No 1º trimestre de 2011 a produção industrial mundial cresceu 6,5%. Claro que o aumento natural da população mundial tem muita influência para este resultado, mas ainda não justifica esta forma arcaica e persistente de pensar chamada Indústria. Mesmo o setor de serviços tendo aumentado seu espaço, a indústria e sua filosofia continuam sendo o centro das atenções. Com todo avanço tecnológico, ainda se tem uma máquina à vapor cada vez mais produtiva. Modernizamos as ferramentas da indústria, mas não ela própria.

A Revolução Industrial simplesmente progrediu, pois mesmo com a internet ainda não houve uma ruptura neste sistema. Esta projeção mais parece um inchaço, uma bolha, do que uma evolução. Se isto não fosse verdade a sustentabilidade e problemas logísticos não existiriam. Para evoluir é necessário atingir a causa e não os efeitos, que é a forma de pensar, de imaginar. Mas como mudar e melhorar a forma de pensar se não exercitamos isso? Nosso sistema educacional forma pessoas com informação e não pensadores que geram conhecimento. Como a Era do Conhecimento pode existir com uma multidão sem sapiência?

Ter informação ou muito dela, não é o mesmo que afirmar que se tenha conhecimento. Se fosse assim o Google seria o deus da atualidade. Precisamos da Revolução do Conhecimento, fazendo o redesign da forma de pensar. Para isso precisa-se de pessoas abertas que sejam os agentes transformadores. Quem sabe os guerreiros designers possam ser os protagonistas no redesign da indústria, dando o primeiro passo para entrar na verdadeira Era do Conhecimento.

Abraços,

Eduardo M. Borba

2 Comments

  • Ale disse:

    Uma das tendências do desenvolvimento sustentável é a desmaterialização. Mas no “desenvolvimento não sustentável” ainda se pratica muito a obsolescência programada… os bens e os produtos são concebidos com um tempo de vida limitadíssimo propositalmente. E haja mundo pra tanto lixo…

    Me assusta ver que muita gente sequer tem informação, que dirá conhecimento! Que dirá então de consciência!!!

  • Borba disse:

    Pode-se dizer que o Design também é responsável pela obsolescência programada, pois torna produtos e serviços cada vez melhores e mais atrativos, estimulando assim um maior consumo. Sendo o Design também responsável pelo “desenvolvimento não sustentável”, como se pode usá-lo para colaborar a reverter este quadro(interrogação).